Google+ Followers

sexta-feira, 27 de junho de 2008

O Anel e o Aprendiz

" Um dia, um jovem rapaz, desanimado com a vida
e as pessoas, procurou um filósofo para ajudá-lo
e disse":
- Venho aqui, mestre, porque me sinto inútil,
não tenho ânimo. Dizem que não sirvo para nada ,
que não faço tarefas bem feitas, que sou lerdo
e muito idiota.
Como posso melhorar?
O que posso fazer para que me valorizem mais?
O professor, sem olhá-lo, disse:
- Sinto muito, meu jovem, mas não posso ajudá-lo
devo primeiro resolver o meu próprio problema.
Talvez depois.
E fazendo uma pausa, falou:
- Se você me ajudasse, eu poderia resolver
este meu problema com mais rapidez e, depois,
talvez possa ajuda-lo.
- Claro professor, - gaguejou o jovem - que se
sentiu mais uma vez desvalorizado e hesitou
em ajudar o seu mestre.
O mestre retirou um anel que usava no dedo
deu ao jovem e disse:
Monte meu cavalo e vá até o mercado. Devo vender
esse anel porque tenho que pagar uma dívida.
É preciso que obtenhas pelo anel a maior quantia
possível, mas não aceite menos que uma moeda de
ouro.
Vá e volte com a moeda o mais rápido que puder.
O rapaz pegou o anel e partiu.Quando chegou ao
mercado, começou a oferecer o anel aos
mercadores.
Eles olhavam com um pequeno interesse, até o
momento em que o rapaz dizia o quanto pretendia
pelo anel. Quando o rapaz mencionava uma moeda
de ouro , alguns riam, outros saíam sem ao
menos olhar para ele, só um velhinho foi amável
a ponto de explicar que uma moeda de ouro era
muito valiosa para comprar aquele anel.
Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer
uma moeda de prata e uma xícara de cobre ,
mas o jovem seguia as instruções de não
aceitar menos que uma moeda de ouro e recusava
as ofertas. Depois de oferecer a jóia a todos
que passaram pelo mercado, triste, abatido pelo
fracasso montou seu cavalo e retornou.
Entrou na casa e disse:
- Mestre, sinto muito, mas é impossível
conseguir o que me pediu. Talvez pudesse
conseguir duas ou três moedas de prata, mas
acho que não se possa enganar ninguém sobre
o valor do anel.
Importante o que disse, meu jovem, - contestou
sorridente o mestre. - Devemos ter em mente o
valor do anel.
Volte a montar o cavalo e vá até o joalheiro.
Quem melhor para saber o valor
exato do anel?
Diga que quer vendê-lo e pergunte
o quanto ele lhe dá. Mas não importa o quanto
lhe ofereça, não o venda. Retorne com o anel.
O jovem foi até o ouríves e lhe deu o anel para
examinar. O joalheiro examinou-o com uma lupa ,
pesou-o e disse:
- Diga ao seu mestre que, se ele quizer vender
agora, não posso dar mais que 58 moedas de ouro
pelo anel.
O jovem surprêso exclamou:
- 58 moedas de ouro!
- Sim ,disse o joalheiro - eu sei que, com tempo,
poderia oferecer cerca de 70 moedas, mas... se a
venda é urgente...o jovem correu emocionado de
volta para contar ao mestre o ocorrido.
O mestre, depois de ouvir tudo o que o jovem
lhe contou, disse:

- Você é como esse anel, meu jovem; uma jóia
valiosa e única e que só pode ser avaliada por
pessoas que saibam reconhecer o valor de outras
pessoas.

E assim ás vezes acontece com as nossas vidas...
quando demos a sorte de encontrar um mestre,
temos o nosso valor reconhecido ,mas quando não
o encontramos, passamos á vida achando que o
erro é nosso, e não nos valorizamos o suficiente.
Lembremo-nos que somos aprendizes, mestres , e
ouríves do nosso destino.
Por isso não podemos permitir ,que ninguém nos
coloque numa posição inferior na vida.

Nenhum comentário: