Google+ Followers

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Francesco Petrarca

Imagem do rio Paraiba do Sul

Acervo Lidia M. Pereira



Pedra fundamental da poesia lírica italiana e um dos poetas mais influentes da literatura ocidental, Petrarca soube integrar os valores da antigüidade greco-romana a um cristianismo aberto às emoções humanas.
Inaugurou assim na literatura a fusão entre fé e paixão, ou entre conflito e mudança, que anunciava o Renascimento e a modernidade. Nasceu em Arezzo, na Toscana, em 20 de julho de 1304.
Filho de um tabelião, começou a estudar em Avignon, na Provença, onde o papado se instalou de 1309 até o início do século XV. Por orientação dos pais, cursou direito nas universidades de Montepellier e Bolonha, mas em 1326 abandonou o curso, ao receber ordens menores, passou a contar a proteção do cardeal Giovanni Colonna em Arezzo, no ano seguinte, conheceu a aristocrata Laura de Novaes, que amou platonicamente a vida inteira e a quem dedicou os melhores poemas de seu Canzoniere.
Depois de uma crise moral e espiritual entre 1343 e 1346, cada vez mais dividido entre Deus e os homens, o poeta viveu intermitentemente na península italiana e na Provença. Terminou, nesse período, seu De vivis illustribus ( Sobre homens ilustres), coleção de biografias dos heróis da história romana, e escreve De vita solitária ( 1346, sobre a vida solitária) desenvolveu sua teoria a respeito de como o homem pode desfrutar ao mesmo tempo da natureza e da espiritualidade. Embora tenha trabalhado como diplomata para os príncipes de seu tempo, Petrarca não hesitou apoiar a república romana de Cola de Rienzo e a unificação do país
Em 1348 perdeu diversos amigos e a amada Laura na peste negra. De volta ao refúgio de Vaucluse, reorganizou suas Rime, dividindo os poemas em in vita di Laura e in morte di Laura. A temática do Canzoniere (nome pelo qual esses poemas ficaram conhecidos) vai muito além do amor por Laura, pois delineia uma nova lírica a partir da seleção do que havia de mais refinado e vigoroso nos dois séculos anteriores
Das 317 poesias do Canzoniere, 227 são sonetos. Se o gênero existia antes de Petrarca, foi ele quem o sistematizou e lhe imprimiu as marcas principais, que se conservam intactas quase 700 anos depois. Foi Petrarca em suas Rime, ainda, o primeiro a realizar uma poética de motivos estritamente psicológicos, vasta meditação sobre a existência terrena em seu conteúdo humano e emocional.
Transfere-se em 1361 para Pádua e depois para Veneza, onde recebe várias vezes a visita de Boccaccio.
Teve como traço fundamental de seu pensamento uma profunda ciência do passado como elemento indispensável do presente. Ainda em fase de intensa produção literária, muda-se para uma casa de campo em Arquà, onde morre de malária.

Frases de Petrarca

1)"Tal, censurando os outros, condena-se a si mesmo".

2)As duas cartas de amor mais difíceis de escrever são a primeira e a última.

3)Na guerra do amor a fuga é uma vitória.

4)O fim louva a vida e a noite o dia.

5)As cartas de amor mais difíceis de escrever são a primeira e a última.

6)Pouco ama aquele que pode dizer quanto ama.

Nenhum comentário: