Google+ Followers

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Adulteracao do Leite

Eduardo Kattah

De Belo Horizonte

Laudo do Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) sobre resultados das análises do leite produzido pela Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil), em Passos (MG), que comprovaram a presença de peróxido de hidrogênio (água oxigenada), indicaram também que a adulteração provoca a destruição das vitaminas A e E contidas no produto. O laudo, divulgado hoje pelo Ministério Público Federal (MPF), faz parte do inquérito que investiga a Casmil e a Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande (Coopervale), em Uberaba, suspeitas de acrescentar no leite outras substâncias químicas não permitidas ao leite longa-vida, como soda cáustica (hidróxido de sódio).

O laudo do Lanagro cita a literatura científica para confirmar tecnicamente a redução do valor nutritivo do produto diante da adulteração. "É de se esperar que ocorra a depleção dos teores em ácidos graxos insaturados da gordura do leite por adição de peróxido de hidrogênio. Outrossim, a oxidação das gorduras lácteas desempenha papel na redução nutricional do referido alimento em razão da ação dos radicais livres formados e conseqüente destruição das vitaminas lipossolúveis A e E", descreve o documento.

As amostras analisadas foram extraídas de dois caminhões-tanque da Casmil no dia 16 de agosto, em Passos e em uma estrada que liga a cidade ao município vizinho de Itaú de Minas. Cada tanque continha pouco mais de 25 mil litros de leite cru resfriado. O documento traz informações reveladas quando da Operação Ouro Branco, no último dia 22, que resultou na prisão temporária de 27 pessoas. Conforme a avaliação técnica, a água oxigenada permite que más condições higiênico-sanitárias de obtenção, conservação e transporte, isoladas ou associadas, sejam dissimuladas.

"A fraude por adição de peróxido de hidrogênio em leite cru, ao qual se aplica a definição de conservante, se reporta ao seu efeito antibacteriano, permitindo que más condições higiênico-sanitárias de obtenção, conservação e transporte sejam dissimuladas. A adoção dessa prática, em desacordo com a legislação vigente, objetiva o prolongamento da vida útil da matéria-prima até seu beneficiamento", informa o ofício.

Em relação aos efeitos da água oxigenada sobre o organismo humano, o documento afirma que "a ingestão de pequenas quantidades de peróxido de hidrogênio em solução a 3% geralmente resulta apenas em moderado efeito gastrointestinal". "A ingestão de soluções com concentração igual ou superior a 10% ou grandes quantidades de soluções a 3% tem sido associada com morbidade e mortalidade severa".

Água Oxigenada

O boletim de análise de leite Serviço de Inspeção Federal (SIF) que acompanhava a carga atestava ausência de conservantes, mas a análise dos produtos feita pelo Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) confirmou a fraude e a presença em todas as amostras de água oxigenada. Segundo o MPF, não foi possível, diante das "condições técnicas existentes no Lanagro", detectar por meio de novos exames a concentração das substâncias nas amostras coletadas. A Procuradoria da República em Minas não divulgou os nomes das empresas a quem se destinavam as cargas apreendidas, observando que até o momento não há indícios de que elas teriam tido conhecimento da adulteração.

Fonte Agência Estado



Ponte de Ferro Paraíba do Sul

Acervo: Lidia Machado Pereira

Nenhum comentário: