Google+ Followers

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Jesse Owens

A marca de 10 segundos e 3 centésimos, com seus 18 anos de idade, seria tão somente o inicio de uma sensacional carreira esportiva.

Jesse Owens estava perdendo sua segunda medalha de ouro antes da sua quinta tentativa de salto a distância nos Jogos Olímpicos de Berlim de 1936. Momentos antes, seu mais perigoso adversário, o alemão Luz Long, seguro de sua vitória, se dirigiu a tribuna de honra e com seu braço direito saudou Adolf Hitler. Owens já tinha o ouro nos 100 metros, mas havia começado mal a final olímpica de salto em distância, prova que ostentava o recorde mundial com oito metros e 13 centímetros.

Depois de fracassar em duas de três tentativas na eliminatória, o alemão se aproximou dele e acima de todas as diferenças raciais, sugeriu que ele atrasasse seu ponto de arranque. Owens precisava de 7,15 metros para passar para a fase seguinte. Com a recomendação de Logn, seu salto alcançou os justos 7,15 metros exigidos para se estar na final, que Hitler assistiria das tribunas. Já na final Luz marcaria logo de saída 7,54 metros, e Owens, 7,74; na sua tentativa seguinte o alemão se igualaria ao americano e este iria ainda mais longe com 7,87 metros.

Novamente Luz vai para a pista de arranque e empata outra vez com Owens. Neste momento o alemão estava na liderança da competição, já que permanecendo o empate ele possuía o melhor salto do evento. De fato Hitler demonstrou todo seu nojo pela clara supremacia de Owens chamando-o de "africano auxiliar dos americanos", porque nunca aceitou que ele fosse um atleta com potencial superior. Mas a prova de salto em distância ainda não tinha terminado, Owens vai para o penúltimo salto:7.94.metros, 10 centímetros a mais que o alemão. Hitler abandona rapidamente a cenário.

Em seu último salto, Owens fecharia com 8,06 metros. Seu adversário alemão seria o primeiro a cumprimentar o maior atleta do mundo, um verdadeiro ícone do século XX. Algodão e Gasolina

Neto de escravos, Owens nasceu em 12 de setembro de 1913 em Dallas, estado norte-americano do Alabama e quando veio ao mundo era o décimo de 11 irmãos. Assim como seus pais e irmãos, colhia algodão. O pequeno Owens não teve outra opção que não fosse a mesma atividade. Quando as máquinas revolucionárias precederam a mão de obra, a família se mudou para Cleveland (no estado de Ohio).

Em um belo dia Owens teve que ir para a escola. A primeira coisa que faz sua professora é perguntar o seu nome e ele responde: J.C. Owens, querendo dizer James Owens de Cleveland. Seu erro fez com que a professora escrevesse "Jesse" que foneticamente é JC no idioma inglês. Assim nascia a lenda.

Morando em Cleveland e com apenas 15 anos de idade, Jesse se começou nos atletismo graças a uma visita feita a seu colégio pelo campeão olímpico dos 100 metros em Antuérpia (20), Charles Paddock. Pouco antes de completar 18 anos já havia alcançado o tempo de 10 segundos e 3 centésimos. Esses registros o levaram automaticamente a Universidade de Ohio.

Além de ser um herói esportivo, Owens sempre mostrou sua virtude como ser humano. Desde que chegou a universidade, combinou seus estudos com um trabalho de frentista para cumprir suas obrigações como pai de família. Como vendedor de selos e moedas olímpicas, Jesse Owens morreu aos 66 anos de idade, vitima de câncer no pulmão. Durante muitos anos manteve amizade com Luz.


Juan Ramón Piña/El Norte


versão Patrícia Fook

Nenhum comentário: